Poesia na Escola da Vila

A importância do festival de poesia para a escola

Há anos que a Escola da Vila tem feito festivais de poesia, que ocorrem a cada dois anos. Ele surgiu quando a Escola da Vila se juntou com o Colégio Fernando Pessoa. A ideia era homenagear o poeta que dava nome ao colégio e fomentar a cultura literária, além de aproximar as comunidades das duas escolas. Esse festival é um acontecimento muito importante para a escola, que costuma receber muitos participantes e muito público, envolve concursos de poesia escrita e declamada, nos quais alunos e funcionários participam, e apresentações especiais de professores, outros funcionários, pais de alunos, ex alunos e outros convidados especiais.

Imagem do festival de poesia de 2016, no Parque Chácara do Jóquei

O processo de organização do evento é bem longo e complexo, pois geralmente começa no início do ano. O setor cultural e o de LPL se juntam e pensam em um tema para o festival daquele ano. Então, são feitas atividades com os alunos e professores para envolvê-los com a poesia. Depois, são enviados os regulamentos das competições, e por fim as produções enviadas são avaliadas por uma comissão de jurados e premiadas no evento. Todos esses procedimentos contribuem para que os pais e alunos se sintam atraídos pelo evento.

O festival acontece há muitos anos na escola e tem um grande envolvimento de todos graças ao vínculo que nossos alunos têm com a literatura, que começa na Educação Infantil e vai sendo alimentado ao longo da escolaridade.” diz Luisa Furman, uma das organizadoras do festival de poesia.

As pessoas acharam o festival muito interessante com uma ótima proposta. “Eu acho o festival de poesia uma proposta muito legal. Em todas as escolas que estudei, nenhuma tinha esse tipo de projeto. No Festival vemos  muitas pessoas diferentes apresentando coisas diferentes,e é lindo.” Elogia Anna. “Acho que os alunos ficam se dedicando por um grande período e acho que é por um bom motivo, acho que influencia de um modo muito bom.” Opina Camilla Pellegrino, mãe de Antônia Pellegrino.

 

“No festival vemos muitas pessoas diferentes apresentando coisas diferentes, e é lindo.”

 

Porém, apesar de já haver um público muito grande, o festival do ano passado teve um público muito maior, pois ocorreu no Parque Chácara do Jóquei e foi aberto para todos. “Já tínhamos há muitos anos o desejo de levar o festival para um espaço público. A ideia de compartilhar algo que fazemos tão bem com o público do entorno da escola é maravilhosa.” diz Luisa.

A Escola da Vila organiza os festivais de poesia para aproximar a comunidade à arte, à literatura, o que expressa o projeto pedagógico da escola, que é ensinar que a arte é uma experiência para se compartilhar, que tem valor e que dá prazer.

Como saber qual é o melhor console da atualidade? Entenda as diferenças entre os consoles atuais, suas vantagens e desvantagens.

                                                                                                                                                                                                                Por   Bruno, Evelyn e Theo

Hoje em dia, a tecnologia está muito presente no nosso cotidiano. A usamos em nosso tempo livre e até mesmo no trabalho ou escola.

Muitas pessoas usam celulares e computadores para jogar, ver vídeos no youtube e usar as redes sociais, porém existem aqueles que precisam de um computador com muito mais processamento, para jogar jogos muito pesados e com qualidade de imagem muito alta, e recomendado os consoles, que são muito mais baratos do que um computador com o mesmo poder de rodar jogos.

Mas qual é o melhor console atual? Quais são as principais diferenças entre os consoles?

     A verdade é que não existe um melhor console, existem consoles melhores para cada tipo de jogo. Então para adquirir um produto como esse, é necessário saber suas preferências para escolher o ideal para você?

Jogos:

          Existem jogos que são exclusivos de determinados consoles, esses jogos geralmente são produzidos por empresas que fazem os consoles, então só disponibilizam para seus próprios consoles, como os jogos Halo, Forza e Kinect Sports Rivals que são produzidos pela microsoft, criadora do Xbox. O Ps4 também possui jogos exclusivos como The last of us e God of war.

   Para escolher o seu console você pode fazer uma lista com os jogos que você quer jogar e depois pesquisar se algum dos jogos é exclusivo para algum console.

   Se você quer jogar jogos com kinect como Kinect Sports Rivals é necessária ter um espaço grande para o sensor funcionar bem, “Eu acho que o kinect tem que exigir muito do espaço da casa, porque você tem que ter um espaço aberto, que na minha casa não tem, então eu não consigo usar o meu kinect” diz Luis, aluno do 7 ano. A maioria dos alunos que entrevistamos gostam mais dos jogos de FPS, tiro, e jogos de corrida.

Qualidade de imagem:

        Antes de falarmos sobre a qualidade de imagem dos consoles, queremos deixar claro que quanto maior a quantidade de pixels, pontos , melhor é a imagem. Se uma imagem tem 100×100 pixels significa que a tela tem 10 000 pontos(100×100).

       A maior parte das pessoas que entrevistamos achavam que o Ps4 tem uma imagem melhor do que o Xbox one ,mas isso não é verdade , ambos têm uma imagem em full hd(1920×1080 pixels), uma qualidade muito alta. Já O Xbox one X, que será lançado em novembro deste ano nos Estados Unidos, e o Ps4 pro, têm uma imagem em 4k(3840×2160), que é superior ao full hd.

     No Xbox 360 a maioria dos jogos roda em 1.280×720 pixels, hd, uma qualidade alta, mas não é melhor do que o full hd. A maioria dos jogos que você jogará não irá rodar em full hd como o Xbox one e o Ps4 . O nintendo Switch tem uma tela própria em hd, mas como não é grande não fará muita diferença para seus olhos. Se ele for conectado a uma tv tem imagem em full hd, como o Xbox one e o Ps4.

Antes de comprar um desses consoles é importante verificar se sua televisão tem a capacidade de exibir imagens na qualidade que o console oferece, por exemplo, se sua televisão for hd, ela não poderá passar a imagem em full hd ou 4k, somente hd ou abaixo dessa qualidade. Isso também acontece nas tvs full hd, elas não podem mostrar uma imagem em 4k.

A imagem abaixo mostra as mais comuns qualidades de imagem em comparação.

Capacidade de processamento:

O processamento geralmente é medido em teraflops, que é quantidade de operações por segundo que podem ser feitas pelo processador, assim , quanto maior a quantidade de operações, mais potente é o processador.

O Xbox one X, com 6 teraflops é o console mais poderoso em processamento da atualidade, ganhando do Ps4 Pro que possui 4,2 teraflops, 30% a menos.

Depois vem o Ps4 com 1,8 teraflops, bem menos que o Xbox one Xx e O Ps4 Pro, mas ainda sim roda com uma alta quantidade de fps (imagens por segundo), pois a imagem não é em 4k, que gasta muito processamento. Logo em seguida vem o Xbox 360 com 77 Gflops. Não foi divulgado o processamento do nintendo switch.

Preço:

– Xbox one X: Custará US$ 499, aproximadamente R$ 1.570, sem impostos nos estados unidos.

– O Ps4 Pro: Custa aproximadamente R$ 1 800.

– Xbox one: Custa aproximadamente R$ 1 200.

-Xbox 360: Custa aproximadamente R$ 900.

-Nintendo switch: Custa aproximadamente R$ 2 100.

Também existem os consoles Ps4 Slim e Xbox one S, que são versões mais recentes do Ps4 e Xbox one, com a diferença de que são menores e gastam menos energia, mas custam o mesmo valor e tem o processamento, qualidade de imagem e jogos iguais a versão anterior.

Esperamos que a reportagem tenha te ajudado a entender mais sobre as diferenças entre os consoles e te ajudado a decidir que console comprar.

O país em clima de copa

Por: Benny e Joaquim

Saiba como é o país durante a copa do mundo.

 

Você já foi em alguma Copa do Mundo? Sabe como é a sensação? Uma Copa do mundo muda muito o país sede do campeonato. Muda o espaço das cidades, os estádios construídos ou reformados, e sempre está muito cheio de estrangeiros e cidadãos do país que vão para assistir os jogos e conhecer o lugar.

 

fui no jogo de

copa e pude ver

o país inteiro torcendo

pela sua nação

 

A copa do mundo é um campeonato mundial de futebol entre seleções. Ela acontece a cada quatro anos em um país que vai sediá-la, no caso em 2018, a Rússia. O campeonato é organizado pela Federação Internacional de Futebol (FIFA). A primeira Copa ocorreu em 1930, no Uruguai, onde ele mesmo venceu. De 1942 – 1950 houve uma interrupção por causa da Segunda Guerra Mundial, então a competição só voltou a ser disputada em 1950 onde o uruguai venceu novamente. Desde a primeira copa até hoje em dia o campeonato foi se popularizando cada vez mais se tornando o maior torneio internacional de futebol. Assim o público foi aumentando cada vez mais (na copa de 2014 o maior público foi de 74.783 no Estádio do Maracanã).

(Na linha de baixo na horizontal estão os anos que tiveram copas do mundo, e na linha da esquerda na vertical está a média de público no jogos.)

 

O público em clima de copa do mundo é de muita gente. Pessoas do mundo inteiro vão para o país onde irá ocorrer o campeonato para apoiar seus países, mas também a maior parte assiste de casa. Muitas pessoas acabam conhecendo uma nova cultura indo ao país sede, gerando muito dinheiro para as cidades com o turismo. O evento envolve muitas famílias e amigos que vão ver os jogos juntos, e as pessoas até fazem novas amizades nos estádios, bares, restaurantes, etc. “Já fui no jogo da copa e pude ver o país inteiro torcendo pela sua nação.” Disse Pedro Menezes, aluno da Escola da Vila. Ele também disse que “por mais que o jogo em que fui não era do Brasil, torci muito pela Bélgica no jogo contra a Argentina no Mané Garrincha”, então há vários torcedores do país sede (no Brasil em 2014 no caso da entrevista) que torcem para outras seleções em outros jogos no seu país.

Em relação ao país, há muitas pessoas dizendo que a Rússia depois da Copa de 2018 vai ser igual aos países anteriores, “na África em 2010 existem vários estádios que dão enorme prejuízo e isso também aconteceu aqui no Brasil.” disse o professor de futebol da Escola da Vila, Marcinho. Então, temos que nos importar com as consequências do “pós Copa” para que os estádios não fiquem abandonados. Para que isso não aconteça, deveria ter uma política de conscientização dos organizadores dos países e população para que não fiquemos com elefantes brancos pelo mundo. Mas apesar de todos os problemas, a Copa do Mundo é o maior evento futebolístico do mundo, e do seu clima quente nunca podemos duvidar.

Videogame: inimigo ou aliado

Você certamente já se perguntou se o videogame pode ser uma coisa boa, nesta reportagem essa dúvida será solucionada.

Por: João Felipe e Igor

Ser viciado em games atrapalha na escola, pois você só quer fazer isso, sem fazer lições.

 

 

 

Alguns alunos da Escola da Vila do F2 apresentam queda em seu desempenho escolar por culpa de filmes, séries, mas, principalmente, por conta do tempo excessivo em jogos eletrônicos. Será que os videogames são tão ruins assim?

Além do tempo, há outros fatores que podem prejudicar o aluno, por exemplo:
tipo de jogo, a forma como joga e o que joga. “Muitos professores queixam-se de que os alunos estão ficando mais violentos. A violência contra colegas de classe e professores têm virado notícia constante.” Relata reportagem no site “família.com.br”. Isto é provocado basicamente quando se joga games muito violentos, desrespeitando a classificação etária.

Podemos concluir que os videogames atrapalham em diversas coisas, como por exemplo: violência, estudo, pode tornar as pessoas dependentes dele.

Mas será que os games sempre atrapalham?
Os videogames nem sempre são inimigos. Eles podem ajudar em vários aspectos como: capacidade cognitiva, melhora de coordenação motora e melhora na atenção visual.

PALAVRA DEFINIÇÃO

Cognitiva/ Cognição

É o ato ou processo da aquisição do conhecimento que se dá através da percepção, da atenção, memória, raciocínio, imaginação, pensamento e linguagem.

Motricidade grossa

Necessária para correr, pular, saltar, subir descer, rastejar, etc.

Motricidade fina

Necessária para escrever, pintar, desenhar, recortar, encaixar, montar/desmontar, empilhar, costurar, abotoar/desabotoar e digitar


A melhora cognitiva está relacionada a maior capacidade de absorver o conteúdo, raciocinar e concentrar-se.

A coordenação motora também pode evoluir muito com eles. Além de controles manuais convencionais, há os sensores de movimentos e tapetes de dança. Estes permitem movimentos que ajudam o jogador a trabalhar sua coordenação motora. Trabalha-se a motricidade grossa, motricidade fina e o equilíbrio.

Os reflexos visuais do jogador podem ficar mais apurados. Os jogos ajudam a melhorar a atenção visual e a velocidade de reação.

Podemos concluir que os jogos tem prós e contras, ajudam em determinados aspectos, como por exemplo: capacidade cognitiva, melhora de coordenação motora e melhora na atenção visual, mas em abuso podem atrapalhar ao invés de ajudar. Pioora no aspecto de, estudo, violência e pode tornar as pessoas dependentes dele.

A visão política das crianças e como é desenvolvida

 

 

       Como as crianças têm seu senso crítico ou comum em relação à política e como os pais ou responsáveis tem influência nisso

 

                                                                         Por Maria Paula, Cecília Rona e Pedro Aguiar

 

                                                                                                    

Há vários tipos de  “contato” de crianças com a política, algumas que não tem nenhuma informação, outras que tem bastante e também um ponto de vista  forte, e há aquelas que tem  um determinado ponto de vista sem saber a respeito dele…  Quanta e qual é a influência dos pais na mente das crianças? O senso crítico , divergindo do senso comum, é aquele que tem como base algo concreto, aquele que ao fundo houve muita pesquisa,  reflexão,  análise…. Mas e essa crítica?  Como é desenvolvida?                                                                                   

No começo das suas vidas as crianças são totalmente dependentes das figuras autoritárias paternas, e absorvem tudo o que ouvem e o que é tomado como certo e errado. Quando ela começa a se relacionar com outras crianças, começam a fazer mais críticas e experimentar realmente o “mundo”.

 

“As crianças têm sua formação política desde

  sua primeira constituição, esses são valores…

As crianças precisam ter isso pois senão nunca vão ter uma opinião social.”

 

 Entrevista com Anna, aluna do 7° ano B da Escola da Vila

Acho bem importante as crianças terem uma opinião política, para elas não ficarem “isoladas” e sem uma opinião do mundo. Eu acho que a educação dos pais na política para as crianças inclusive ajuda elas a terem um senso crítico, pois senão, elas irão acreditar em tudo que ouvem. Mas se você for falar sobre sua opinião e seu “lado” para seu filho, você tem que dar informações que são reais, comprovadas….”                                                                                              

Após um determinado tempo as crianças “obtêm” a capacidade de tomar suas próprias decisões, mas sua “base” de “certo e errado “, seus princípios, foi fortemente influenciados pelos pais (pelo menos parte dela). Mas  em coisas políticas há diversos pontos de vista que podem ser influenciados por colegas…. por isso é importante que a escola tenha um perfil “político” e social porque tudo influencia na mente da criança

 

O Instituto de Ciências Cognitivas de Lyon e de duas Universidades Suíças examinaram as premissas desse posicionamento político na infância, entre 3 e 8 anos graças a duas experiências : A primeira, a divisão de recursos e a segunda, a distribuição.”*

“Na primeira experiência, os pesquisadores pediram para 173 crianças assistirem uma peça de teatro com duas marionetes. Uma delas impunha sistematicamente suas regras de jogo à outra. Rapidamente e sem dificuldade as crianças reconheceram na primeira marionete a figura do chefe. Os pesquisadores deram então para as crianças um chocolate grande e um pequeno e observaram como as crianças ofereciam cada um dos chocolates para as marionetes. Aos 3 e 4 anos, a grande maioria das crianças deu o chocolate grande para a marionete que elas identificaram como dominante. Aos 5 anos, essa tendência começa a mudar para se inverter completamente aos 8 anos. Nessa idade a grande maioria das crianças deu o maior chocolate para a marionete « submissa ». ”           

*http://marcosmachado.over-blog.com/2016/09/o-nascimento-do-senso-politico-na-crianca.html

 

Nesse experimento as crianças mais velhas conseguiram explicar suas escolhas, enquanto isso para as mais novas não era possível.                                 Essas pesquisas mostram que as crianças começam a se sensibilizar em relação a “desigualdade” partir de 5 anos e que essa tendência se torna quase uma regra aos 8 anos. Entretanto, esses resultados não significam que as crianças de 8 anos se mostram e serão justos em todas as situações sociais.

Esses valores que temos como gentileza, altruísmo e etc, são todos formados pela influência de pais mães, escola… Como os pais devem tratar política com as crianças? “É muito importante as crianças terem uma opinião política” diz  pai de aluna da escola da vila  “ Primeiro é importante saber o que é política. Para mim tem a ver com a relação das pessoas com outras pessoas, e com sua cidade, com seus lugares… E com alguns preceitos e bases… As crianças têm sua formação política desde da sua primeira constituição, então os primeiros educadores dão as primeiras bases políticas paras as criança, esses são valores. Você escolhe os políticos como prefeitos ou governadores com base nesses valores. As crianças precisam ter isso pois senão nunca vão ter uma opinião social. (…)Eu diria que a transmissão desse valores deveria implicar ( o que uma posição política minha) no respeito a posição dos outros, a liberdade da escolha de caminhos.” Completa o entrevistado.

 

A criança tem uma opinião política desde pequena, não política partidária, mas de como se comportar com outras pessoas, de valores, etc. Isso é muito importante e com esses valores, e bases de “certo” e errado, que escolhem  governadores, prefeitos e etc..  Por isso é importante saber que as crianças já tem suas ideias políticas a partir do pais ou primeiros professores e escola.

Refugiados e Guerra da Síria

Entenda mais sobre os refugiados no Brasil

                                                                                              Por: Anna Cândida, Antônio e Luis

Com certeza você já ouviu falar de muitas guerras que causaram milhões de mortes, mas já ouviu falar da atual guerra no Oriente Médio? Sabe algo sobre os refugiados dessa guerra ou os motivos desse conflito? Se você está confuso quando se trata desse assunto, não se preocupe, podemos fazer você entende-lo um pouco mais, pois esse tema está circundando a sociedade brasileira e é muito importante que você o conheça.

O conflito na Síria surgiu quando vários cidadãos começaram a questionar o modo de governar do presidente Bashar al-Assad, que deu continuidade ao governo de quase 30 anos de seu pai, ao todo a família Assad governa a Síria há quase 50 anos. Para manter-se no poder, Bashar convive com altos níveis de corrupção e promove forte repressão política contra seus adversários. Atualmente a Síria convive com muito desemprego o que levou à onda de protestos de 2010. Porém, quanto mais o povo questionava, mais tinham chance de serem presos e torturados pelas forças de segurança. Com o crescimento da agressividade do governo, a ideia de rebelião também foi aumentando. Os opositores começaram a pegar armas para se defender e depois para expulsar as forças de segurança de suas regiões. Depois, os grupos rebeldes se reuniram em brigadas para combater as forças oficiais e tomar o controle de cidades e vilarejos. No final de julho de 2011, centenas de milhares de pessoas saíram às ruas em todo o país exigindo a queda de Assad. Em 2012, os enfrentamentos chegaram à capital, Damasco, e à segunda cidade do país, Aleppo.

Essa guerra, que, em verdade, é uma guerra civil, causou muitas consequências, como a destruição de comunidades e a perda de milhares de vidas. “A guerra se tornou uma guerra civil e já dura mais de 6 anos. Atualmente não há apenas dois lados nessa guerra. A religião também passou a fazer parte das desavenças, Rússia e Estados Unidos, assim como países próximos também tem interesses na guerra e a fomentam em função de seus interesses. A guerra na Síria já matou quase meio milhão de pessoas e provocou o êxodo de aproximadamente 10 milhões de pessoas para países próximos e para a Europa” relata Tiago Ferreira, professor de Ciências Humanas. O Centro Sírio para Pesquisa de Políticas, calcula que o conflito já tenha causado a morte de mais de 470 mil pessoas.

Também é fundamental ressaltar que a guerra na Síria está diretamente relacionada ao dinheiro, pois o fornecimento de armas para alimentar a guerra enriquece outras nações e a desestabilização do país contribui para que outros países possam ter maior controle das reservas de petróleo do país.” Ainda nos conta Tiago. E as estatísticas terríveis não param de ser divulgadas: 70% da população não tem acesso a água potável, uma em cada três pessoas não consegue suprir as necessidades alimentares básicas, mais de 2 milhões de crianças não vão à escola e um em cada cinco indivíduos vivem na pobreza. 

“Mesmo com os riscos, muitas famílias fugiram de lá, principalmente em navios, em busca de uma vida minimamente decente.”

Deixar a terra natal para fugir de conflitos ou de perseguições. Essa é a condição que torna um cidadão de qualquer parte do mundo em um refugiado. O êxodo de refugiados, um dos maiores da história recente, colocou sob pressão os países vizinhos – Líbano, Jordânia e Turquia. Cerca de 10% desses refugiados buscam asilo na Europa, provocando divisões entre os países do bloco europeu sobre como dividir essas responsabilidades. “O conflito na Síria que já dura 6 anos está fazendo com que muitos deixem seu lar em busca de melhores condições de vida, uma vida sem guerra. O número de refugiados se estende cada vez mais, hoje são mais de 4 milhões de refugiados” afirma Pedro Aguiar, de 12 anos, aluno da Escola da Vila, “O presidente viu todo o país protestando contra seu governo e mandou o exército acabar com isso, ou seja, mais violência. Vendo esta situação, as outras classes sociais consideraram o ocorrido como a gota d’água, e começaram a se organizar para derrubar o presidente, e foi aí que todo o alvoroço começou. Mesmo com os riscos, muitas famílias fugiram de lá, principalmente em navios, em busca de uma vida minimamente decente.” acrescenta.

Segundo a ONU, até fevereiro de 2016 mais de 5 milhões de pessoas haviam fugido da Síria – a maioria mulheres e crianças que estavam deixando a sua terra natal para fugir de conflitos ou de perseguições.

Centenas de refugiados também vieram para o Brasil. Aqui, podem contar com o apoio e o suporte de entidades como a Cáritas (entidade ligada à Igreja Católica), a Acnur (agência da ONU para refugiados) e a Casa Latino Americana (Casla). Essas instituições promovem a acolhida e regularização de documentos e verificam as necessidades dos refugiados. Na maioria das vezes, o contato é feito por intermédio da Polícia Federal. As cidades de Curitiba e São Paulo têm recebido um maior fluxo de refugiados de diversos países. “Os refugiados que conheço moram em uma ocupação no bairro da liberdade. Neste prédio moram sírios, egípcios, peruanos, um chinês e também brasileiros. A grande maioria dos estrangeiros estão no Brasil fugindo da miséria e da guerra.” Conta Ágata, de 28 anos, bailarina profissional do Caleidos Cia de Dança. “Além da remuneração recebida no restaurante Al Janiah, eles contam com  doações de entidades religiosas que distribuem cestas básicas na ocupação de nome Leilah Khaled.”

 ~Restaurante Al Janiah

O Al Janiah é um restaurante que emprega uma parte desses refugiados árabes e de outras nacionalidades. O restaurante funciona como um local de encontro da comunidade estrangeira. Os refugiados se distribuem em diversas funções: cozinha, bar, recepção, garçom, limpeza. O restaurante oferece comidas típicas da culinária árabe, como o kibe, o falafel, a esfiha, charutinho e uma diversidade de drinks. Ainda oferece cursos de idiomas, percussão e etc. O restaurante fica na Bela Vista em São Paulo, e mantém a tradição do Bexiga de receber famílias de imigrantes. No início Italianos, depois nordestinos e agora refugiados. Muitas vezes pensamos que o conflito Sírio está muito longe, mas podemos ver que as consequências da guerra chegam até nós.

Os alunos também usam tecnologia na Escola!

Dia após dia, estamos cada vez mais envolvidos no mundo da tecnologia moderna, mas como ela realmente está presente em nossa vida escolar?

Por Andrea, Anne e Nicolas

Todos os dias estamos cercados de inúmeros aparelhos eletrônicos, como TVs, celulares, tablets, computadores e muitos outros, que foram feitos para ajudar no nosso cotidiano, mas que de vez em quando mais nos atrapalham do que nos ajudam, principalmente para quem não sabe usá-los corretamente. Veremos agora o impacto da tecnologia na educação dos alunos da Escola da Vila.

A escola usa diversos meios tecnológicos para auxiliar o aprendizado dos alunos, sendo eles o moodle “AVA” (Ambiente Virtual de Aprendizado) usado a partir do 4ºano, desde 2007, e o google classroom, que começou a ser usado mais recentemente, em 2016. E, esse ano, houve uma grande decisão a respeito de usar computadores em vez de cadernos nas salas de aulas de alunos do sexto ano, que foi bem impactante para muitos alunos e para os pais. Mas isso tudo isso tem seus lados positivos, e também os negativos.

Do passado ao presente

Quase tudo que fazemos hoje envolve o uso de tecnologias digitais. Se vamos ao cinema, procuramos a programação no celular, se vamos até um local que não conhecemos o caminho, procuramos o endereço no celular ou nos mapas digitais. As práticas sociais mudaram, e, por isso, a escola precisa levá-las em consideração – além de práticas mais antigas que também continuam sendo usadas. É por isso que a tecnologia digital deve estar na escola. “Acreditamos que isso muda a nossa relação com a tecnologia, já que ela passa a fazer parte de várias situações do cotidiano. Isso pode facilitar algumas tarefas, mas ao mesmo tempo pode fazer com que a gente fique muito tempo diante das telas. É importante ficar atento a este equilíbrio.”, diz Helena A. Mendonça, especialista do TI (tecnologia da informação) da Escola da Vila.

De acordo com o TI, a Escola da Vila começou a usar a tecnologia desde a década de 90, quando o uso de computadores pessoais no Brasil começou a ficar acessível: primeiramente no setor administrativo, depois no trabalho docente, em seguida com os professores e por fim com os alunos; Ainda na década de 90, os alunos começaram a usar computadores nos antigos laboratórios de informática. Nas duas unidades, Morumbi e Butantã, havia laboratórios com computadores nas bancadas. Os alunos iam lá para fazer atividades que precisavam do computador e/ou internet. Hoje estes espaços não existem mais, e temos equipamentos móveis pela escola toda, que se necessários, estão disponíveis aos alunos.

Assim, mais e mais nós avançamos no futuro do modo de ensino, e vamos adquirindo muitos mais recursos para o nosso aprendizado do que a antigamente. “Quando eu era estudante, não havia uso de tecnologia em sala de aula como ferramenta de ensino e aprendizagem. Não havia computadores pessoais, pois esta tecnologia estava muito em seu início. Para assistir filmes e documentários íamos ao cinema em sessões reservadas à escola”, diz Gefferson Celestrino, 49, pai de um aluno do 7°B-B.

Benefícios

Todos os alunos de hoje em em dia devem concordar que a internet ajuda muito durante os trabalhos em grupo, permitindo melhor comunicação entre colegas. E a tecnologia também ajuda em trabalhos individuais, dando ao aluno mais informações sobre algum assunto, ou criando apresentações, e até mesmo com o corretor ortográfico que te diz quando você escreveu algo errado. Há procedimentos que podemos fazer de forma mais rápida e eficiente com o uso de tecnologias, uma avaliação usando o computador por exemplo: é possível tabular os dados e ter uma visão mais clara das dificuldades e avanços da classe bem mais rapidamente do que fazer essa análise no papel. Também é mais rápido para os alunos escreverem e avançarem mais em seus projetos.

Assim, tanto professores quanto alunos acreditam que o uso de tecnologia é de certa forma bom para os estudos e organização, e que o avanço da escola para incorporar esse outro jeito de aprendizado vai melhorando cada vez mais o nosso ensino. (depoimento do Tiago), diz Tiago, 34, professor de ciências humanas na Escola Da Vila:

“As tecnologias de comunicação não substituem o professor, mas modificam algumas de suas funções”

Há muitos outros exemplos de como as tecnologias podem aprimorar o aprendizado, mas é importante dizer também que ela pode dificultar, dispersar e confundir se usada de forma não planejada.

Problemas e má influência

Nem tudo é bom quando se trata do uso da tecnologia. Há sempre problemas pequenos, mas frequentes, que acabam atrapalhando o aluno em sua vida escolar diária, como em suas lições de casa ou atividades fora da sala de aula. Sempre há o caso de cair a internet ou a energia na casa do estudante, o computador quebrar, e muitos outros imprevistos que apenas dificultam a vida.

Além disso, o uso de internet não é só usado para o estudo, mas, como muitos estão mais habituados a ouvir, para a diversão. É muito difícil resistir a tentação de parar de estudar e começar a fazer alguma outra coisa, uma vez que o acesso de informações da internet é enorme. E isso desconcentra o aluno que inicialmente estudaria.

Quanto ao uso de computadores em vez de cadernos para o estudo, também tem seus problemas. Além de desconcentrar e de ocorrerem imprevistos técnicos, o estudo em si pode ser muito afetado por essa mudança. “Esses estudos me impossibilitam de escrever no papel, o que acaba me desacostumando. E eu não estou trabalhando em uma empresa, estou estudando na escola, o que seria mais legal usar caderno. Dessa forma, acho que há diversos problemas neste uso de computadores e celulares.”, afirma Teresa Rossi, aluna do 6ºano da unidade Butantã da Escola da Vila.

Exemplos de mau usos da tecnologia durante o ensino, que acabam atrapalhando mais do que ajudam, é usar a tecnologia quando podemos ter momentos de interação social. Também usar recursos muito difíceis, não adequados à faixa etária: os alunos ficam frustrados e o tempo dedicado ao aprendizado da tecnologia poderia ter sido usado de outra forma. E uma última questão, talvez a mais importante: não levar em consideração a mudança das práticas sociais que envolvem uma tecnologia digital ao planejar as aulas. É importante não usar a tecnologia só por causa do modismo, apenas para dizer que somos “atualizados”.

 

O RAP está crescendo?

                                                                                                                          

  O Rap está mesmo ficando cada vez maior, mas será que continua o mesmo?

Ana Clara Turra, Karen  Eri e Sophia Gomes

          O RAP deu um grande salto nos últimos anos, veio do muito pouco conhecido para o que está agora: bastante conhecido. Com certeza você já ouviu falar de alguns desses rappers: Snoop Dogg, Wiz Khalifa, Nicki Minaj, Iggy Azalea, Eminem, Negra Li, MC Soffia ou Karol Conka, esses são os rappers mais famosos e mais conhecidos.

 

As rappers Karol Conka e MC Soffia.

          Esse tipo de música nasceu na Jamaica na década de 1960. Ele chegou nos bairros pobres dos Estados Unidos em 1970. RAP significa rhythm and poetry (ritmo e poesia), mas ele pode ser conhecido também como ‘tagarela’. Esse é um gênero musical criado por negros, que os ajudavam a manifestar o que sentiam, se eram injustiçados, enfim, seus protestos. Também existem, dois tipos de rappers: os MC (mestre de cerimônias) e o DJ (disc jockey).

          Uma estudante de 12 anos, chamada Evelyn do 7 ano e que faz aula de canto, discorda com nossa ideia de que o rap está crescendo “Na minha opnião eu acho que o rap não está crescendo, pois ele anda sendo substituído por outras músicas, eu não conheço muito de rap, mas eu gosto muito, acho que a mensagem que ele passa é muito  legal.”

“o rap é uma maneira

de se manifestar,

de se expressar

e protestar”

           Entrevistamos também o professor de música e dono da escola Alma, chamado Helinho “Eu particularmente não gosto do rap, esse tipo de música não tem melodia, na minha opinião, ele tem uma batida mais rápida, ele tem muita informação sobre fama de discurso político social, sobre injustiças na periferia, eu acho que essa música influencia as crianças de acordo com suas cabeças, seus jeitos de pensar, o rap pra mim é isso.”

  O RAP dentro das músicas

Ultimamente, o rap vem sendo muito utilizado dentro das outras músicas, principalmente o pop, mas também tem em rock, até MPB, é uma mistura, como por exemplo, um muito conhecido “dark horse” da cantora Katy Perry: com o rapper Juicy J. ou no MPB: passarinho do rapper Emicida, ou no Rock: tipo Foreword do Linkin Park.

O RAP está ficando diferente

            Ultimamente alguns raps estão mudando, está ficando um pouco mais “ostentação”, pararam um pouco de falar sobre protestos, manifestações e começaram a falar de dinheiro, ficam tentando ser melhor que o outro, ter mais fama e tomar mais poder, virou uma grande competição.

Como é o método de ensino na Escola Da Vila

 

A Escola da Vila tem um método diferente das escolas tradicionais lá eles trabalham com o método construtivista e nessa reportagem vamos mostrar um pouco sobre esse método na escola.

 

Por Lina guessi, Luisa Ballas e Marcella Timo

 

A escola da Vila tem um método de ensino diferente das escolas tradicionais: o método construtivista de ensino. No método construtivista, por exemplo, achamos que trabalhar em dupla, em grupo, e em outras formas, é um modo de aprender a conviver mais na sociedade.

Foto tirada da sala do 7 ano A no Butantã

Métodos de ensino da Escola Da Vila

Uma das formas que a escola criou para aprendermos mais é o Sistema de Melhoria e Aprendizagem- SMA, que é uma aula a mais que a escola proporciona. Quando o sistema foi criado, foi pensado que a recuperação não ajudaria os alunos, pois nesse sistema primeiro o aluno faz a prova e depois recupera se tiver ido mal,  já o SMA não funciona assim, o professor coloca os alunos no SMA se eles não estiverem indo bem ou então se precisam recuperar nota.

Outra forma que a escola criou foi a assembleia, que é quando a classe se junta e discute assuntos que estão atrapalhando a aprendizagem do grupo, fazemos isto mais ou menos uma vez por mês. Os assuntos são propostos pelos alunos. Assembleia funciona do seguinte modo: é feita uma votação para a escolha do coordenador, que vai comandar as discussões, para quem vai escrever os nomes das pessoas que querem falar na lousa, e outra para a escolha “do ata”, quem escreve no caderno tudo o que está sendo discutido.

A Escola da Vila também usa uma forma de ensinar que faz os alunos corrigirem e revisarem seus textos, suas provas, e outras atividades avaliativas mais de uma vez, fazendo revisoẽs individuais, em dupla e também em grupos. O objetivo é ensinar o aluno a perceber seu erro e corrigi-lo. “Nas escolas tradicionais você faz um texto recebe a nota e não mexe mais, as crianças novas que não conhecem o método muitas vezes são resistentes a corrigirem novamente sua produção, na maioria das vezes preferem apenas começar um novo texto” diz Vera Barreira, coordenadora do sexto e sétimo ano, do ensino fundamental 2.

Outro diferencial é que na Escola da Vila não é obrigatório o uso de uniforme então podemos usar diferentes roupas, só precisamos usar se formos fazer alguma atividade extracurricular, ou se formos para algum passeio com a escola.

Uma das coisas que pode gerar bastante dificuldade para os alunos novos, que não estão acostumados com este método, é o modo que aprendemos matemática, pois você não pode apenas colocar sua resposta no problema e pronto, é preciso colocar todo o raciocínio, mostrar o que  pensou até chegar no resultado.

“O trabalho de matemática é

muito diferente, para alguns

isso leva mais de anos para

se adaptar”

Apesar do construtivismo ser um método muito interessante e muitos alunos se adaptarem perfeitamente, muitos outros não se identificam, o que nos faz pensar que o melhor método é o que o aluno consegue compreender melhor.

Jogos violentos fazem crianças violentas?

Muitos pais andam preocupados com seus filhos jogando jogos violentos ultimamente.

Feito por: Pedro Garrido e Lorenzo Almeida

 

Jogos violentos tem um grande sucesso entre crianças a partir de 9 anos mas, os pais não gostam muito que seus filhos “matem pessoas” em jogos, por isso existem diversas pessoas que criam comunidades para tentar impedir essa moda de crescer. Títulos como Grand Theft Auto V* são muito polêmicos por ser classificado para 18 anos mas a maior parte de seu público tem cerca de 12.

*Grand Theft Auto V é um jogo eletrônico de ação-aventura desenvolvido pela Rockstar North e publicado pela Rockstar Games.

Opinião dos pais:

              Muitos dos pais tendem a se preocupar com seus filhos por não saber diferenciar se violência está certo ou não porque convivem com isso no dia a dia. A mãe de um aluno da escola da vila afirma que : “ao jogar jogos violentos nessa certa idade, as crianças tendem a não saber diferenciar coisas certas e erradas porque convivem com isso diariamente, o nosso papel como pais é mostrar a diferença entre o certo  o errado”.

          “Eu acho que a criança não precisa ficar exposta a jogos tão violentos porque a sociedade já é muito violenta, mas não acho que a criança fica violenta por estar exposta jogos violentos acho que é importante diferenciar essas duas coisas” É o que afirma uma das mães.

Opinião do psicólogo:

“Eu acho que os jogos violentos influenciam sim na vida das crianças, não são adequados para elas, mas acho que esses tipos de jogos não são propriamente determinantes da violência, não é porque uma criança joga jogos violentos que se torna um adulto violento, não acho que a relação é direta, mas eu acho sim que são inadequados, esses jogos onde tem tiro, onde tem violência com faca, coisas assim, são inadequadas. Não que influenciem a fazer esse tipo de ato, mas cria um mundo irreal. Violência não é agressividade!”. Afirma Pedro Monteiro (psicólogo)

Opiniões dos alunos

Perguntamos também para dois alunos do sétimo ano da escola da vila que gostam desse tipo de jogo e ambos tem opiniões diferentes sobre esse assunto :

“Eu acho que dependendo da pessoa pode influenciar sim, porque tem crianças que entendem de um certo modo e tem crianças que entendem de um outro jeito e acha que aquilo pode resolver as coisas, mas na maioria das vezes não influenciam porque tem vezes que você desconta sua raiva justamente jogando esse jogo, mas eu acho que pode influenciar” também, é o que afirma Vitor Vilela Zacchi.

“Eu acho que jogos violentos influenciam as crianças se elas jogam desde 5 e 4 anos porque nessa fase ela está crescendo e isso entra na cabeça dela que está em desenvolvimento e ela leva isso pra vida inteira, mas eu não acho que influencia de um jeito ruim, ela não vai virar um “assassino”, ela sim vai ficar um pouco violenta”. É o que afirma Frederico Kipnis.

 

Depois de entrevistar concluímos que a maioria dos pais/alunos e psicólogo acham que de certo modo interfere no desenvolvimento da criança e pode torna a criança  mais agressiva ao crescer. Também há uma parte de pessoas que acham que não influencia e de certo modo ajuda como afirma um dos alunos da escola da vila.